A Mulher vem conquistando espaços e vitórias gradativamente, seja na vida pessoal, profissional e política, mesmo com as constantes ameaças a sua vida e integridade física e particular. A Mulher que exerce função na Política, seja em qualquer nível não está isenta desta violência. Na Câmara de Caraguatatuba, além de reverenciada e recebendo todo apoio necessário, um espaço dedicado a elas foi inaugurado na sede da Casa de Leis.

Mesmo com raras e pequenas vitórias a dominação machista ainda perdura, não só no Brasil como em todo o mundo. As Mulheres ainda recebem em média, 20% a menos de salário se comparada a mesma função com um homem. Poucas são as Mulheres em cargos de Direção ou Superintendência na Iniciativa Privada. Na Política a porcentagem de Mulheres inscritas nas chapas para os pleitos Nacionais ou Municipais são apenas “Proforma” perante a Lei.

Na vida pessoal e conjugal a Mulher ainda padece de mais carinho e cuidado, pois as porcentagens de Feminicídio cometidas pelo parceiro, seja ele marido, ex-marido, noivo ou namorado aumentam a cada dia. Nas ruas a Mulher ainda é ultrajada pelo seu modo de vestir, seu modo de pensar e de agir como forma de manter uma linha de pensamento patriarcal e masculina.

Na Política o número de Mulheres Vereadoras, Prefeitas, Deputadas Estaduais, Federais, Senadoras e Governadoras é muito pequeno se comparado aos homens na mesma função e dentre os mais de 5.5 Mil municípios neste país. Infelizmente ainda perdura a máxima de que “Mulher não vota em Mulher”, engendrada pelos homens com intuito de não perder terreno para o público feminino.

No Litoral Norte, mais precisamente em Caraguatatuba os números da violência feminina são pequenos, bem como a porcentagem na ocupação de cargos e salários e na política, onde poucas são as Vereadoras e atualmente apenas Flávia Pascoal, em Ubatuba ocupa cargo no Executivo como Prefeita. Na história política da cidade poucas foram as Vereadoras e nenhuma delas ocupou o cargo de Chefe do Executivo e tão pouco a Presidência da Casa de Leis.

Como forma de dar mais valor a estas bravas guerreiras que dedicaram seu tempo e sua vida em prol do povo, o Presidente Tato Aguilar, através de iniciativa da Vereadora Vera Morais, criou o espaço feminino na sede do Legislativo local, homenageando as Mulheres que venceram seus pleitos e lutaram pela melhoria na qualidade de vida de seus contribuintes.

Neste espaço figuram as Mulheres que ocupam e ocuparam uma Cadeira no plenário do Legislativo de Caraguatatuba. A primeira Vereadora veio no final da década de 40 e início da década de 50 no Século Passado, 1948/1951, e trata-se de Leonor Soalheiro, sendo necessários 49 anos para que uma Mulher ocupasse novamente uma cadeira. Na verdade foram duas, Adriana Naves e Dalva Santana como suplente, tendo Santana retornado como eleita na Legislatura seguinte juntamente com Leonor Diniz, Vera Peixoto, Madalena Fachini e Gema Trombini, esta última como Suplente no quadriênio 2001/2004, que foi chamado de “A Gestão das Mulheres”.

As gestões seguintes também foram coroadas de Mulheres no Legislativo, como Silmara Mattiazzo e Vera Teixeira de 2009 a 2012, que foi reeleita para as duas Legislaturas seguintes, aliás, Vera Teixeira foi a Mulher que mais tempo ocupou uma cadeira na Câmara de Caraguá. Na mesma gestão de 2017/2020 Salete Paes ocupou vaga. Atualmente apenas Vera Morais é a única ocupante feminina de uma cadeira no Parlamento Municipal.

O espaço atual, localizado no rol de entrada da Câmara, promete ser atualizado periodicamente a medida que mais mulheres vencerem as eleições e ocuparem a sua vaga por direito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *