*Stefan Massinger

 

Os mesopotâmios também eram bebedores de vinho. A Mesopotâmia (hoje o território do Iraque) está situada entre os rios Tigre e Eufrates que correm ao sul dos Cáucaso (o Eufrates nasce no Monte Ararat, sim lá onde a arque do Noé ficou depois da tempestade …, mas isso é outra história) e correm até o Golfo Pérsico, numa região plana, quente e árida, uma antítese da região adequada para vitivinicultura. Os sumérios aí se estabeleceram entre 4.000 a 3.000 a.C. e fundaram as cidades de Kish e Ur. De Kish provém as primeiras formas de escrita, os pictogramas, desenhados com estilete em argila úmida. Entre estes escritos há uma folha de uva. Os mesopotâmios tentaram mais tardiamente o plantio de videiras, mas, originalmente, importavam o vinho de outras regiões. Há registros de que dois séculos e meio depois o rio Eufrates foi usado para transporte de vinho da região da Armenia para Babilônia, a cidade que sucedeu Kish e Ur.

Na Mesopotâmia os sumérios originaram os semitas e Mari foi sua principal cidade, até que o Imperador Hamurabi fundou Babilônia (próxima de Bagdá) em 1790 a.C.

Os hititas que ocuparam por volta de 2.000 a.C. a região da Anatólia (Turquia) parecem ter sido entusiastas do vinho, julgando-se pela exuberância dos frascos criados para servir e tomar o vinho (cálices e frascos em forma de cabeça de animal feitos em ouro).

A propósito, o código de Hamurabi e o código dos hititas são os dois primeiros livros sobre leis de que temos conhecimento e ambos fazem referência aos vinhos. No código de Hamurabi há tres tópicos relacionados com as “casas de vinho”: o primeiro diz que “a vendedora de vinhos que errar a conta será atirada à agua”; o segundo afirma que “se a vendedora não prender marginais que estiverem tramando e os levar ao palácio seria punida com a morte”; a última diz que “uma sacerdotisa abrir uma casa de vinhos ou nela entrar para tomar um drinque, será queimada viva”. Hamurabi foi conhecido por sentenças drásticas para garantir obediência às suas leis, porque seria diferente com o tratamento do vinho – digamos estes três aspectos seriam algo como o “código de defesa do consumidor” – com ordens claras, como se deve tratar o consumidor e quais seriam as consequências se haverá violação destas regras.

Interessante é que na época havia um grande intercâmbio comercial, incluindo-se aí a uva e o vinho, entre os impérios peri-mediterrâneos. Ugarit (agora Latakia) e Al-Mina, na Síria, e, posteriormente, Sidon e Tyre, mais ao sul, foram importantes portos comerciais e eram controlados pelos Cananeus a serviço do Império Assírio. Nessa região da costa mediterrânea os fenícios, que sucederam os Cananeus e inventaram o alfabeto, fundaram outras cidades comerciais como Cartago e Cádiz. Alexandre o Grande conquistou toda a região e fundou Alexandria, um porto neutro no delta do Nilo, habitado por gregos, egípcios e judeus.

 

 

* Stefan Massinger nasceu na Áustria, sul de Viena, numa região de vinhos. Vive em Caraguatatuba, sendo master do grupo Wine, o maior e-commerce de vinhos da América Latina, treinando interessados como empreender no mundo do vinho. Também tem uma empresa de venda de vinhos on-line e atua também como consultor independente de negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *