Vigilância apreende produtos em Restaurante que serve a Polícia Militar

A Vigilância Sanitária Municipal apreendeu na última sexta-feira – 4 de janeiro – cerca de 105 quilos de carne sem registro e identificação, além de constatar outros problemas no Restaurante e Pousada Perón 2, localizada as margens da SP-55, do proprietário Joasir Perón, um dos apoiadores, orientador e incentivador da campanha do atual Prefeito Municipal. O estabelecimento ganhou a licitação para alimentar o reforço da Polícia Militar para a temporada de Verão. A Prefeitura não respondeu solicitação da nossa reportagem.

O estabelecimento está localizado no Jardim Aruan no sentido São Sebastião/Caraguatatuba da SP-55 e foi realizado na última sexta-feira com vistas a renovação do Alvará. Um Boletim de Ocorrência foi registrado na segunda-feira – sete de janeiro – e a informação só chegou ao nosso conhecimento na quarta-feira – nove de janeiro. O estabelecimento não foi multado e tem 30 dias para apresentar defesa e os reparos necessários. Caso seja multado o valor pode chegar a casa dos R$ 6 mil.

De acordo com as informações recebidas o local apresentava-se desorganizado e sujo, com potes sujos no armazenamento de alimentos, além da coifa com gordura e o encontro de baratas. Foram encontrados restos de alimentos em galões, que segundo o proprietário Joasir Perón, seriam levados para alimentar os porcos no seu sítio.

Os fiscais da Vigilância Sanitária encontraram prateleiras de madeira na Câmara Fria, o que é proibido, além das mesmas se apresentarem com sujeira, com alimentos armazenados em sacolas de supermercado. No depósito também foram encontradas prateleiras de madeira sujas, chinelo de funcionário, caixas de papelão com alimentos armazenados no chão, bem como um botijão de gás na área interna, que continha fiação exposta.

Sujeira e desorganização também foram encontradas no freezer e nas geladeiras do estabelecimento, juntamente com carne sem registro do SIF – Serviço de Inspeção Federal e sem identificação. No mesmo local haviam espetos com carne assada e carne temperada em potes reaproveitados sem tampa. Os tipos de carne encontrados eram de Bovinos, Suínos e Aves. No estoque também foi encontrada fiação exposta e em outro freezer no local mais carnes sem identificação guardadas em sacos preto de lixo. O proprietário alega que estas carnes estavam separadas para troca, pois teria recebido mercadoria vencida, com data de validade para janeiro de 2018.

Além das carnes foram encontradas cabeças de porco e paleta de ovelhas sem registro obrigatório e identificação. O proprietário não tinha nota fiscal das carnes sem identificação e registro, no peso estimado em 105 quilos e por sugestão do próprio Joasir, foram descartadas – inutilizadas – para que o estabelecimento não fosse interditado.

O Restaurante e Pousada Perón 2 de Joasir Perón foi autuado pelo Auto de Infração 8541 com base no artigo 122 – incisos 11 e 13 da Lei Estadual 10.083/98 com artigos 26 e 28 – seção 2 mais a portaria CVS – Centro de Vigilância Sanitária 05/13, além da penalidade de inutilização 2038, conforme artigo 112 – inciso 6 da lei 10.083/98. O Auto de Infração 8542 baseia-se no artigo 459 do Decreto Estadual 12.342/78, na orientação técnica 1/19, quando o proprietário terá 30 dias para se adequar e 10 dias para defesa que caso não seja aceita, poderá resultar numa multa de até r$ 6 mil.

Na segunda-feira seguinte a visita dos fiscais foi feito um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia Civil, de número 150/2019, assinado pelo Delegado Leandro Reis da Silva. Segundo apurou a redação do Contra & Verso alguns policiais pertencentes ao reforço tiveram problemas estomacais devido a qualidade da comida servida por Joasir, que ganhou licitação para alimentar o contingente que está na cidade. Há informações de que policiais não estariam mais se alimentando no local e estariam pagando a alimentação do próprio bolso.

Segundo uma fonte da 2ª Cia. do 20º Batalhão de Polícia Militar do Interior, sediado na cidade foi encaminhada à Prefeitura uma reclamação dos policiais quanto a falta de limpeza e por causa disso, o Prefeito teria enviado a Vigilância Sanitária para averiguar, constatando pequenas falhas. Na verdade, as informações repassadas à Polícia Militar pelo vice-Prefeito Campos Júnior, Capitão Policial Militar reformado não condizem com as constatações da Vigilância Sanitária, pois fatos foram omitidos e informações distorcidas. Fontes confidenciam que Perón teria gravado um vídeo onde mantêm a omissão e distorção de algumas informações relativas ao caso.

Procurado, Joasir Perón disse que a carne apreendida foi enviada fora da validade pelo distribuidor e que o seu erro foi coloca-la em sacos preto de lixo. Quanto ao restante dos problemas, alega que estão sendo resolvidos.

A Prefeitura, através da Secretaria de Comunicação foi indagada a prestar esclarecimentos quanto ao fato e até o fechamento deste texto não havia respondido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *